Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Recuperar força da produção de cacau no Brasil é desafio, diz secretário-executivo ao abrir exposição

Notícias

Recuperar força da produção de cacau no Brasil é desafio, diz secretário-executivo ao abrir exposição

62 anos da Ceplac

Marcos Montes participou da abertura da exposição "Ceplac: 62 anos de apoio à cacauicultura brasileira", instalada na sede do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
publicado: 29/07/2019 12h57 última modificação: 29/07/2019 15h21
Exibir carrossel de imagens Antônio Araújo/Mapa Secretário-executivo Marcos Montes (centro) abre exposição sobre 62 anos da Ceplac, acompanhado de secretários do Mapa e o diretor da Ceplac

Secretário-executivo Marcos Montes (centro) abre exposição sobre 62 anos da Ceplac, acompanhado de secretários do Mapa e o diretor da Ceplac

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento abriu nesta segunda-feira (29) a exposição “Ceplac: 62 anos de apoio à cacauicultura brasileira”, que apresenta as principais tecnologias desenvolvidas nos estados que abrigam os biomas da Amazônia e Mata Atlântica e os resultados alcançados na produção de cacau e chocolate no Brasil.

Na abertura, o secretário-executivo Marcos Montes destacou que um dos desafios do Ministério é recuperar a força da produção de cacau no Brasil. A Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac) é o órgão responsável pela promoção do desenvolvimento sustentável da cultura de cacau no Brasil. Desde 1957, a Ceplac desenvolve pesquisas científicas de melhoramento genético de cacau e presta serviço especializado de assistência técnica e extensão rural aos cacauicultores brasileiros.

>> Leia série especial sobre o cacau no Brasil

Representando a ministra Tereza Cristina, o secretário-executivo afirmou que a atual gestão do Ministério começou com vários desafios pela frente, entre eles, o restabelecimento da produção de cacau. Montes enfatizou a importância da trajetória da cacauicultura no Brasil, que deve se estruturar e se adequar à uma nova realidade.

“Há um processo de renovação, de modernização, de construção de novas culturas. E o cacau, lamentavelmente, não por culpa do Mapa, mas por muitas circunstâncias do mundo, do Brasil, dos produtores, perdeu sua força, essa força que buscamos recuperar. É mais um desafio que a ministra tem ao lado dos seus secretários e nós iremos buscar realmente essa reconquista”, ressaltou.

Montes acrescentou que o Ministério está de prontidão para apoiar aqueles que querem investir no cacau. “O cacau agora precisa realmente de ter uma nova dimensão para que a gente possa não ser mais importador de cacau e sim um grande exportador de cacau que o mundo sempre respeitou.”

O secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, Fernando Camargo, também destacou a importância da Ceplac, como a instituição que mais detém conhecimento sobre cacau no mundo, e reconheceu as dificuldades enfrentadas nos últimos anos, como a redução no número de servidores. Camargo ressaltou que é o Estado brasileiro deve encontrar uma nova forma de atuação dentro do contexto de restrições orçamentárias.

“A economia brasileira mudou, o Estado brasileiro não é mais pujante [como antes], o Brasil passa por uma questão fiscal grave e é difícil, hoje, fazer as coisas como antigamente. Então, temos que repensar a nossa forma de trabalhar, o Estado brasileiro tem que se repensar, olhar para dentro e ver uma forma de fazer mais com menos, acho que esse é o grande desafio hoje”, disse Camargo.

Exposição Ceplac: 62 anos de apoio à cacauicultura brasileira

O diretor da Ceplac, Guilherme Galvão, relatou que o desafio é manter as pesquisas nas bacias da Amazônia, bioma originário do cacau, recuperar os níveis de produtividade da cultura no país e o enfrentamento da monilíase, uma nova praga que pode abater a produção de cacau do país, assim como ocorreu com a vassoura-de-bruxa, que dizimou as lavouras da Bahia, maior produtora do Brasil. Diante disso, o diretor da Ceplac informou que a comissão já tem desenvolvido, em parceria com outros países, clones de alta resistência e produtividade para formar variedades de cacaueiros tolerantes à monilíase. 

“Nós temos o maior centro de pesquisa e o maior banco de germoplasma de cacau do mundo. E a próxima praga a atacar o cacau é a monília, que está a 20 quilômetros da divisa com o Acre e vai entrar com certeza”, afirmou Galvão.

Também participaram da cerimônia de abertura da exposição os secretários Orlando Leite (Comércio e Relações Internacionais), José Guilherme Leal (Defesa Agropecuária) e Jorge Seif Júnior (Pesca e Aquicultura), entre outras autoridades da Ceplac e do Ministério.

O evento lembrou ainda o aniversário de 159 anos do Ministério da Agricultura, completados neste mês de julho, e as datas de homenagem à agricultura familiar e ao produtor rural, celebradas nos dias 25 e 28 de julho.

Exposição

A exposição "Ceplac: 62 anos de apoio à cacauicultura brasileira” ficará aberta para visitação pública até 31 de julho, no horário entre 9h e 17h, no túnel de acesso ao anexo do Ministério.

Clique aqui para ouvir a matéria da Rádio Mapa

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
Débora Brito
imprensa@agricultura.gov.br