Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Prorrogada venda de milho em balcão aos pequenos produtores

Notícias

Prorrogada venda de milho em balcão aos pequenos produtores

Política Agrícola

Oferta segue até dezembro de 2018, com limite de aquisição de 10 toneladas por criador
publicado: 29/12/2017 13h26 última modificação: 02/01/2018 11h15
Stevano Vicigor

Na sexta-feira (29) foram publicadas no Diário Oficial da União a Resolução 6 e a Portaria 2.546 dos Ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Fazenda, do Planejamento e da Casa Civil da Presidência da República, prorrogando até 31 de dezembro de 2018 a venda direta, em balcão, de até 250 mil toneladas de milho do estoque remanescente de 2017 para os pequenos criadores de aves, suínos, bovinos, ovinos e caprinos de todo o País.  

O limite de aquisição será de 10 toneladas por criador, mantido o preço máximo de R$ 33,00 por saca de 60 quilos para os criadores do Norte e Nordeste. Na venda para os produtores do restante do País será praticado o preço do milho na região.

Em 31 de março de 2017, a Portaria Interministerial 780 autorizou a venda de 200 mil toneladas do produto, ao preço máximo de até R$ 33,00 por saca de 60 quilos para as Regiões Norte e Nordeste.

Com base nos dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a prorrogação foi decidida porque não foram vendidas as 200 mil toneladas autorizadas em março. Ainda existe estoque remanescente de 84,7 mil toneladas, já que foram vendidas, de abril a novembro, 115,3 mil toneladas (107,7 mil t no Nordeste e 7,6 mil t no Norte), frente à disponibilidade de 200 mil t.

Em 2017, a comercialização em balcão foi realizada em oito estados. Foram atendidos 604 municípios e 22.700 clientes, com volume médio de aquisição de 5.067 quilos por comprador. Em novembro, na região Norte, somente Acre e Rondônia estavam com preços de mercado abaixo do patamar autorizado e, na Região Nordeste, apenas o Piauí.

Deficit
Nesta safra, o suprimento do insumo nas regiões Norte e Nordeste mostra cenário de déficit de 200 mil toneladas em relação à produção estimada em 6,3 milhões de toneladas e consumo de 6,5 milhões de toneladas. O cenário se agrava ainda mais para os pequenos consumidores, pois nesta safra cerca de 80% da produção está concentrada na Bahia, Piauí e Maranhão, áreas de difícil remoção do produto pelos pequenos consumidores, em razão dos altos preços dos fretes. Comerciantes que transportam o produto incorporam sobrepreço no milho aproveitando-se da pequena concorrência na remoção.

E deve também ser levado em conta o calendário da cultura na região Nordeste. Na região norte da Bahia o plantio ocorre nos dois primeiros meses do ano, e a colheita, em junho, ficando o primeiro semestre abastecido por estoques remanescentes, ou compra no Sudeste ou Centro-Oeste, com produto colhido na safra de verão.

Porém, para a atual safra de verão as estimativas indicam redução de 22% e 13% na produção das regiões Centro-Oeste e Sudeste, em virtude, principalmente, da maior atratividade da soja, representando outro fator de pressão nas cotações para a região Nordeste.

O programa de venda em balcão é também um balizador no preço do cereal para o pequeno criador reduzindo a possível pressão de alta de comerciantes.

Mais informações à Imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
Janete Lima
imprensa@agricultura.gov.br