Você está aqui: Página Inicial > Notícias > O fim de ‘subsídios distorcivos’ foi cobrado por Maggi, em conferência em Berlim

Notícias

O fim de ‘subsídios distorcivos’ foi cobrado por Maggi, em conferência em Berlim

Missão internacional

Em reunião com ministro chinês, Han Chagfu, o ministro do Mapa cobrou a aprovação de produtos a serem exportados pelo Brasil
publicado: 21/01/2017 23h26 última modificação: 30/01/2017 14h43
Mapa/Divulgação

Na 9ª Conferência de Ministros da Agricultura do Fórum Global para a Agricultura e a Alimentação (GFFA), que se realiza na Alemanha, o ministro Blairo Maggi, defendeu neste sábado (21), “fortalecer o comércio internacional, sem subsídios distorcivos e sem barreiras comerciais para dar eficiência ao uso de recursos naturais e minimizar a pressão sobre a natureza”. O ministro do Mapa disse ser “possível fazer isso de forma colaborativa”, na abertura do painel sobre Excedentes de Água.

No painel, que presidiu, com a presença de 80 ministros da Agricultura de todo o mundo, Maggi destacou a importância de realizar investimentos em tecnologia e em inovação para aumentar a produção de alimentos e a produtividade e melhor aproveitar os recursos hídricos. “Até 2050, será necessário alimentar 9 bilhões de pessoas”, ressaltou.

A importância estratégica do Brasil para fazer frente a essa necessidade no futuro foi evidenciada. “O Brasil é considerado como o país com maior disponibilidade de água doce, mais de 12% do total mundial, desse importante fator de produção agrícola”. Acrescentou que, além disso, tem clima muito equilibrado, fazendo suas safras praticamente sem irrigação ou drenagem.

E falou da sua experiência própria na agricultura. “Sou também produtor rural. Antes de ser homem público, já estava há décadas na agricultura. Aprendi a ser agricultor com meu pai e, meu pai, com meu avô. Vivendo o dia-a-dia do campo, nós agricultores aprendemos o valor dos recursos naturais. Somos protagonistas do meio-ambiente e aprendemos a respeitar os limites da natureza”.

No painel, houve concordância sobre a existência de impactos das mudanças climáticas na distribuição geográfica e temporal da água. E quanto à necessidade de desenvolver práticas de manejo, como o armazenamento em momentos de excesso e o uso eficiente da irrigação, da drenagem e da infraestrutura.

Reunião com a China

Em encontro com o ministro chinês da Agricultura, Han Changfu, em Berlim, neste sábado, o ministro Blairo disse que uma das maneiras de ampliar os negócios entre os dois países seria a maior celeridade por parte da AQSIQ, órgão de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena da China, na aprovação da entrada de produtos brasileiros no país. “Temos tudo para ampliar a cooperação. Mas há uma lista de 19 itens dos quais a AQSIC não tem respondido nossos questionamentos”, cobrou.

“As empresas chinesas são bem-vindas e irão contribuir com a agricultura, logística e com outros setores. Certamente construiremos coisas juntos”, afirmou Maggi. Ele ouviu do ministro Han Chagfu que “a carne brasileira é bem-vinda ao mercado chinês”, que há interesse em aprovar mais estabelecimentos e prometeu visitar o Brasil. 

O ministro da China afirmou que gostaria de exportar vegetais e frutas. “O Brasil é um país menor em termos de população e somos um grande produtor de alimentos. Mas, dentro da necessidade, o país também está aberto à importação.   Nosso desejo é ampliar os nossos negócios, mas precisamos ter uma regularidade e continuidade em processos de aprovação de registros e em investimentos”, frisou Maggi. 

“Sobre as observações que faço, peço para o Ministro fazer o encaminhamento ao Governo da China, sobre essas preocupações”, acrescentou. “Entendo que é necessária uma determinação política para que mais negócios aconteçam.  Precisamos considerar-nos como grandes parceiros, dentro e fora da agricultura”, afirmou.

Blairo Maggi foi convidado pelo colega a participar da próxima reunião dos BRICS que acontecerá na China, em setembro, e pediu apoio à candidatura do brasileiro Guilherme Costa, à presidência do Codex Alimentarius , “obviamante passando por todos os canais necessários”, frisou.

O presidente da Embrapa, Maurício Lopes, que acompanha a comitiva do ministro, assim como o secretário de Relações Internacionais do Mapa, Odilson Silva, tratou de parceria na área de biotecnologia e de genética. O assessor para o Meio Ambiente, João Campari também integra a equipe de Blairo Maggi, que neste domingo, (22), vai participar da reunião dos ministros da Agricultura do G-20, em Berlim.

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
iImprensa@agricultura.gov.br