Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Novacki cumpre agenda com produtores gaúchos

Notícias

Novacki cumpre agenda com produtores gaúchos

Rio Grande do Sul

Na segunda-feira reuniu-se na Farsul com representantes dos segmentos de arroz, leite e trigo. Nesta terça, na Embrapa Vinho teve encontro com produtores e discutiu financiamento da safra de uva
publicado: 10/04/2018 14h49 última modificação: 12/04/2018 15h19
Exibir carrossel de imagens Eumar Novacki na Embrapa Vinho, reunido com produtores

Eumar Novacki na Embrapa Vinho, reunido com produtores

O ministro interino do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Eumar Novacki, reuniu-se nesta terça-feira (10) com representantes de vinícolas gaúchas no Rio Grande do Sul, na sede da Embrapa Uva e Vinho para tratar de interesses do segmento, como financiamento da safra da uva, implantação do Cadastro Vitivinícola Nacional e fiscalização de produtos importados.

O ministro interino da Agricultura, Eumar Novacki, o governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, a secretária estadual de Meio Ambiente, Ana Pellini, e o prefeito municipal de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, presidiram a abertura oficlal da 8a. Fiema - Feira de Negócios, Tecnologia e Conhecimento em Meio Ambiente, em Bento Gonçalves.

A feira tem atrações tecnológicas, ciclos de palestras, seminários e congressos. Após a cerimônia oficial, as autoridades estiveram presentes na reunião de abertura de propostas para construção de uma usina de resíduos sólidos na cidade, por meio de parceria público-privada.

Na segunda-feira, Novacki teve encontro na Federação dos Agricultores do Rio Grande do Sul (Farsul), onde discutiu ações para as culturas de trigo, arroz e leite. A reunião havia sido pedida pelo presidente da Farsul, Gedeão Pereira, ao secretário-executivo do Mapa e ao ministro, Blairo Maggi, durante a Expodireto Cotrijal, no mês de março. O objetivo é a implantação de planos semelhantes ao lançado pelo Mapa para expandir a fruticultura em parceria com o setor privado.

Novacki explicou que o objetivo é desenvolver programas de governança que vão além das soluções emergenciais. “É um projeto para unir boas práticas, estudar e abrir novos mercados internacionais, além de valorização do produto por meio de estratégias de marketing”.

Problemas enfrentados por produtores de arroz e leite são semelhantes. Questões envolvendo o Mercosul estão entre as principais reclamações. A diferença nos valores dos insumos que interferem diretamente na competitividade do produtor brasileiro foi debatida.

Dirigentes da Farsul, Fetag e Sindilat entregaram documento solicitando escoar de 50 mil toneladas de leite em pó ou o equivalente em UHT. O mecanismo utilizado seria por meio de compras governamentais e pela utilização do Prêmio de Escoamento da Produção (PEP) para derivados lácteos (leite em pó, UHT e queijos).

Reuniões durante todo o dia tiveram a presença de diretores da Farsul, integrantes da equipe técnica do Mapa, parlamentares estaduais e federais, representantes da Fetag, Federarroz, Sindilat. Em 30 dias, haverá novo encontro em Brasília quando produtores de arroz e leite irão apresentar proposta de estruturação dessas cadeias produtivas.

 

Mais informações à Imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br