Você está aqui: Página Inicial > Notícias > No Parlamento Alemão, ministro do Mapa defende produção sustentável de alimentos e de energia

Notícias

No Parlamento Alemão, ministro do Mapa defende produção sustentável de alimentos e de energia

Bioeconomia

A convite de Bärbel Hohn do Partido Verde, Blairo Maggi reuniu-se na Comissão de Agricultura e com deputados da legenda
publicado: 24/01/2017 17h54 última modificação: 30/01/2017 15h03
Exibir carrossel de imagens Mapa/Divulgação Alimentos e energia produzidos com sustentabilidade foi tema da reunião

Alimentos e energia produzidos com sustentabilidade foi tema da reunião

A bioeconomia foi o assunto predominante do discurso do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, na Comissão de Agricultura do Parlamento Alemão, atendendo convite da deputada Bärbel Höhn, do Partido Verde. Em viagem para participar da reunião de Ministros da Agricultura do G-20, em Berlim, Maggi falou a parlamentares da Alemanha em “garantir segurança alimentar e energia tomando parte na ação climática”.

A avaliação é de que a bioeconomia abre oportunidades ao Brasil, já que o país reúne a maior diversidade biológica do planeta, com ativos de interesse para a economia. É o caso de produtos e de processos de base biológica utilizados em áreas como a agricultura, a saúde, em processos industriais e na geração de energia.

“Há um potencial de sinergias a serem explorados”, defendeu Blairo Maggi, lembrando que essa foi a motivação do lançamento da Plataforma Biofuturo, “com foco na segunda geração de bioenergia e de bioinsumos”, na COP-22, em Marrakech (Marrocos). A segunda geração de bionergia compreende o uso de variadas fontes de biomassa.

“No Brasil, estamos especialmente investindo em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para o etanol de segunda geração. Esperamos utilizar sobras e desperdícios de cana-de-açúcar, que hoje estão com utilização abaixo do potencial”, destacou. A segunda geração, acrescentou, abrirá portas para todos os países acelerarem sua transição para a bioeconomia.

Segundo Maggi, a possibilidade de maior uso de resíduos agrícolas, como palhas, inclusive do arroz, pode ser mais bem aproveitada. “Temos alguma experiência com o uso de palha de arroz”. E destacou o crescimento do uso de sebo bovino para a produção de biodiesel. “Antes desperdiçado, hoje o sebo é responsável por cerca de 15% da produção brasileira de biodiesel.”

Etanol

Sobre o etanol, Maggi esclareceu que “não concorre com a produção de alimentos”, havendo estoque de mais de 160 milhões de hectares de pastagens de baixo rendimento, que cedem área para a agricultura ao mesmo tempo em que produtividade aumenta. “ E temos um zoneamento para a cana-de-açúcar que protege a Floresta Amazônica e os demais biomas de alta biodiversidade”.

Bancada Verde

O ministro disse que em reunião com parlamentares do Partido Verde, incluindo o líder da bancada, Anton Hofheiter, causou impacto o seu relato sobre avanços na área ambiental obtidos pelos produtores agrícolas brasileiros. “Eles ficaram surpresos com os números que apresentei, com a consistência e a determinação que os produtores têm em fazer uma agricultura respeitando o que mais defendem: o meio ambiente”.

Entre os dados apresentados, Maggi destacou que, na década de 1990, eram utilizados 190 milhões de hectares pela pecuária, com rebanho de 140 milhões. Em 2015, eram 160 milhões de hectares e um rebanho de 215 milhões. Disse ainda que o Brasil tem 41,2% de energia renovável, sendo 29,1% originária do campo, como bioenergia. Enquanto isso, a média mundial é de 13% de energia renovável.
 

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br