Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Ministra discute medidas para expandir o biogás na matriz energética brasileira

Notícias

Ministra discute medidas para expandir o biogás na matriz energética brasileira

Produção de energia

Fonte é considerada excelente alternativa para o produtor agregar renda em sua atividade
publicado: 25/02/2019 19h32 última modificação: 25/02/2019 19h38
Ministra com representantes da ABiogas

Ministra com representantes da ABiogas

Estratégias para expansão do biogás na matriz energética brasileira foi tema da reunião da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, com diretores da Associação Brasileira de Biogás e Biometano (Abiogás), nesta segunda-feira (25). O objetivo é o desenvolvimento do setor de forma competitiva. A ministra manifestou apoio à iniciativa, já que o biogás é uma fonte de energia renovável de grande potencial no Brasil, por sua importância para a redução dos gases que causam o efeito estufa.

O segmento do biogás cresceu de forma rápida no país, nos últimos anos, e tem sido importante fonte de renda da atividade agropecuária, além de alternativa para a energia elétrica, cujo custo tem aumentado continuamente. O presidente da ABiogás, Alessandro Gardemann, disse que o setor não precisa de subsídios e, sim, de incentivos. Ele pediu o apoio da ministra para a elaboração de uma política de financiamento estruturado para o biogás, dentro do conceito do RenovaBio de redução de emissões. Para Gardemann, inovar é a solução, e o biogás é o caminho para isso.

A avaliação no ministério é de que essa fonte energética é excelente alternativa para o agricultor agregar renda a sua atividade produtiva, fornecendo um insumo tão importante, como a energia, hoje cada vez mais escassa. Os representantes do setor propuseram criar um leilão específico de energia para o segmento de biogás e reivindicaram recursos do Plano Safra para financiar o segmento. As demandas serão estudadas pela Secretaria de Política Agrícola do Mapa. Também será debatida a questão do zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar na Amazônia.

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br