Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Mapa vai publicar cartilha sobre sistema de controle do carrapato em bovinos

Notícias

Mapa vai publicar cartilha sobre sistema de controle do carrapato em bovinos

Controle Parasitário

O funcionamento do sistema será mostrado em seminário no Rio Grande do Sul
publicado: 06/11/2019 09h30 última modificação: 05/11/2019 20h33
Embrapa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento vai publicar nos próximos dias uma cartilha sobre o Sistema Integrado de Controle Parasitário (Sicopa) de manejo e controle do carrapato dos bovinos. A publicação, com 56 páginas, será publicada no site do Mapa. O sistema será utilizado no novo Programa de Controle Seletivo do Carrapato Bovino do Paraná.

Segundo o criador do Sicopa, doutor em parasitologia e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Marcelo Molento, atualmente não existe no país um programa de controle deste parasito. Segundo ele, as vantagens do Sicopa são a redução do uso de acaricidas no rebanho e com isso a diminuição da resistência do parasito a estes produtos, além da diminuição das perdas de produtividade, principalmente na pecuária leiteira.

O funcionamento deste sistema será mostrado no seminário gratuito que será realizado no Sindicato Rural de Santa Maria (RS), nesta quinta-feira (07) e sexta-feira (08), evento que tem o apoio do Ministério da Agricultura. Entre os temas do seminário estão a epidemiologia e controle do carrapato; resistência do carrapato e testes de eficácia em laboratório e no campo; programa de avaliação seletiva de bovinos e parcerias no Brasil e o controle do carrapato no Rio Grande do Sul.

O Sicopa tem 22 ferramentas que podem ser adaptadas e podem ser usadas em fazendas no Brasil e em outros países sul americanos como o Paraguai, Argentina e Uruguai, onde também ocorre o carrapato dos bovinos. O Sistema prevê que o animal que apresentar até 20 parasitos em apenas um lado do corpo será passível de tratamento intensivo com acaricidas; os demais terão controle diferenciado.

De acordo com o professor, o uso do tratamento seletivo exige mais empenho do veterinário, pois deve ser feita a contagem dos parasitos em todos os animais, para identificar os indivíduos parasitados. Segundo ele, cerca de 60% a 70% dos animais não excedem a contagem mínima e não precisarão ser tratados. “Os animais que recebem a menor quantidade de tratamentos são também os animais que permanecem com mais facilidade no rebanho além de serem mais saudáveis”, informa o professor.

O carrapato é um dos principais parasitos de bovinos no Brasil, que pode causar prejuízos de até R$ 10 bilhões por ano. O carrapato está disseminado no rebanho de todo o Brasil, principalmente entre as raças europeias. Nos bovinos jovens, pode provocar a morte e nos adultos a perda de peso de até 100 quilos.

Informações à Imprensa:
Coordenação geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br