Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Mapa prepara normas para lançamento de novos sucos

Notícias

Mapa prepara normas para lançamento de novos sucos

Normatização

Cada produto possui um Padrão de Identidade e de Qualidade (PIQ) específico a depender de características próprias da fruta. Há ainda a distinção entre as diferentes bebidas, como o néctar e o refresco
publicado: 27/06/2018 12h14 última modificação: 27/06/2018 12h14
O lançamento de novos sabores dependem de regras do Mapa

O lançamento de novos sabores dependem de regras do Mapa

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está elaborando Padrões de Identidade e de Qualidade (PIQs) necessários para o lançamento de novos sucos no mercado. Entre os produtos que o consumidor passará a ter à sua disposição estão os sucos de graviola, cereja, groselha, framboesa, kiwi, carambola, lichia, bacuri e buriti. Até então, esses sabores de frutos considerados exóticos ou tropicais, estavam disponíveis apenas nos cardápios de lanchonetes e de restaurantes que utilizavam as próprias frutas ou polpas para produzir o suco.

Com o pedido de industrialização, o Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal- DIPOV, elabora os parâmetros analíticos para identificação dos referidos sabores. Cada produto, possui um PIQ específico a depender de uma série de características próprias da fruta que dá origem ao suco. Essas características são avaliadas sob condições técnicas rigorosas (índices de contaminantes, conservantes, resíduos, adição de açúcar, entre outros itens).

De acordo com Fábio Fernandes, diretor do DIPOV, uma proposta de portaria está sendo encaminhada à Consultoria Jurídica do ministério devendo ser publicada em até 30 dias. Assim que houver a publicação, o setor privado terá prazo para adequação da rotulagem, de acordo com o coordenador do Departamento de Vinhos e Bebidas do Mapa, Helder Moreira Borges.

Atualmente, existem três tipos de bebidas divididas conforme o teor de matéria prima contida o refresco de determinada fruta deve ter como teor mínimo a partir de 10 % de suco natural; os néctares têm de 30% a 50 % de suco, podendo, também neste caso, como no refresco, ter adição de águas. E, o suco, que deve ser puro. A legislação não prevê limite máximo para a adição de açúcar, mas as indústrias têm procurado reduzir a utilização deste produto, com o uso do suco de maçã.

Segundo Helder Borges os néctares há algum tempo vem recebendo adição de suco de maçã, que é um produto mais barato que o suco da própria fruta e não alteram o aroma final, denominado de néctar misto. Foi um pedido da indústria, afirmou. O coordenador alerta que o consumidor deve olhar no rótulo do produto o teor de suco. Chama atenção também para o cuidado que o comprador deve ter com a embalagem, que não pode estar amassada ou com o lacre rompido sob pena de contaminar o produto. “As embalagens longa vida podem amassar ou romper no transporte ou no empilhamento, que precisam ser feitos de maneira correta”.

Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
Janete Lima
imprensa@agricultura.gov.br

registrado em: , ,