Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Mapa participa de simulado para a prevenção da entrada de praga que atinge bananas

Notícias

Mapa participa de simulado para a prevenção da entrada de praga que atinge bananas

Defesa agropecuária

Ocorrência da praga FOC R4T foi confirmada na Colômbia. Mapa vem adotando medidas preventivas para impedir a entrada da doença no Brasil
publicado: 28/11/2019 13h32 última modificação: 29/11/2019 14h52
Exibir carrossel de imagens Simulado para prevenção da entrada da FOC R4T no Brasil

Simulado para prevenção da entrada da FOC R4T no Brasil

Bananicultores, especialistas e técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e de órgãos de sete estados participaram de simulado para testar e avaliar os procedimentos a serem adotados em casos suspeitos da entrada da praga Fusarium oxysporum f.sp. cubense raça 4 tropical (FOC R4T), que afeta a produção de bananas.

O simulado teve início no dia 26 de novembro e termina nesta quinta-feira (28), em Corupá/SC, e faz parte das medidas para prevenir a entrada da doença no Brasil. Desde a confirmação da ocorrência da FOC R4T na Colômbia, o Mapa vem atuando para impedir a entrada da praga. 

Promovida pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), com o apoio da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa, o objetivo da inciativa é subsidiar as ações de contingência que serão estabelecidas pelo Plano Nacional de Prevenção e Vigilância para a praga FOC R4T. O plano será submetido brevemente à consulta pública, no âmbito do  Programa de Prevenção e Vigilância de Pragas Quarentenárias Ausentes do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas.

As simulações, realizadas em campo, envolvem bananicultores locais, com a participação do especialista da Embrapa, Miguel Dita, técnicos do Mapa e dos órgãos estaduais de Defesa Agropecuária da Bahia, do Espírito Santo, de Minas Gerais, do Paraná, de Santa Catarina, do Rio Grande do Sul e de Mato Grosso.

A raça 4 tropical do fungo é uma variação mais agressiva do já conhecido “Mal do Panamá” ou “Fusariose da bananeira”. Não há ainda variedades resistentes ou manejo químico viável para o controle. Por isso, a entrada desta praga no país representaria grandes perdas para os produtores de banana, com alto impacto socioeconômico para o Brasil.

*Texto atualizado dia 29/11

Informações à imprensa
imprensa@agricultura.gov.br