Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Mapa e Mercado Livre farão acordo para monitorar venda de insumos

Notícias

Mapa e Mercado Livre farão acordo para monitorar venda de insumos

Fiscalização

Cooperação servirá para coibir oferta de produtos irregulares
publicado: 08/02/2018 15h46 última modificação: 09/02/2018 12h10
Rangel explicou que será possível rastrear a origem do anúncio

Rangel explicou que será possível rastrear a origem do anúncio

A Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a empresa de comércio eletrônico Mercado Livre vão formalizar, ainda neste primeiro semestre do ano, acordo de cooperação para controlar anúncios de insumos agropecuários nesta plataforma da internet.

O secretário de Defesa Agropecuária, Luís Rangel, integrantes da área de insumos do Mapa e representante do site reuniram-se no ministério nesta quinta-feira (8) para tratar das condições do acordo. A parceria visa permitir maior controle do ministério sobre os insumos ofertados por meio do portal. No fim do ano passado foram recebidas denúncias de oferta de produtos irregulares.

Uma vez identificado um insumo agropecuário irregular no Mercado Livre, o Mapa, além de solicitar a retirada do anúncio, terá como rastrear o endereço que identifica os responsáveis pela oferta do produto. Mesmo que o endereço fornecido seja falso será possível localizá-lo pelo IP (Itinerário Principal), que identifica a máquina e a rede por onde foi enviada a mensagem eletrônica.

Segundo o secretário Luís Rangel, a plataforma eletrônica vai ajudar a coibir problemas, sendo mais um instrumento na fiscalização dos insumos.

A Mercado Livre já tem acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para controle de medicamentos, aditivos alimentares e saneantes, que é renovado anualmente. Segundo o representante da Mercado Livre, François Martins, são muito bons os resultados com o controle “a posteriori”, pois o site tem uma eficiência muito grande de remoção do produto. “A partir de denúncia, o tempo prometido para a retirada da mercadoria, é 24 horas. Mas o tempo médio tem sido de duas horas”, garante Martins.

Ouça o áudio da matéria

 

Mais informações à Imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação
imprensa@agricultura.gov.br