Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Maçã tem redução de preços nas Ceasas, segundo a Conab

Notícias

Maçã tem redução de preços nas Ceasas, segundo a Conab

Pesquisa

Grande oferta provoca queda da cotação do quilo da fruta do mercado
publicado: 25/04/2017 11h12 última modificação: 25/04/2017 11h12

Os preços das principais frutas e hortaliças comercializadas nas centrais de abastecimento mais representativas do país não apresentaram movimento uniforme em março. O destaque foi a maçã, que registrou baixa em seis das sete centrais analisadas. É o que revela o 4º Boletim Prohort de Comercialização de Hortigranjeiros nas Ceasas em 2017, divulgado nesta terça-feira (25) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A queda no preço da maçã se justifica pela grande oferta da fruta no mercado, com percentuais negativos variando entre 22,44% em Belo Horizonte (R$ 2,93/kg), e 6,96%, em Brasília (R$ 5,02/kg). Na contramão das Ceasas analisadas, Fortaleza teve aumento de 2,72%, com o quilo da fruta comercializado a R$ 5,63.

Com as demais frutas, não houve tendência definida na dinâmica dos preços. No caso da banana, os preços variaram entre aumento de 20,92% em Recife (R$ 1,73/kg) e queda de 23,93% em Rio Branco (R$ 1,54/kg). Quanto à laranja, em cinco das sete centrais houve aumento no preço do quilo da fruta: 5,8%, em Brasília (R$ 1,73), e 2,31% em Belo Horizonte (R$ 1,88). Espera-se que a partir de maio, com a colheita da nova safra, o preço da laranja ao consumidor final caia.

Em relação ao mamão, mesmo com grande oferta, a qualidade foi comprometida por causa das chuvas. Assim, o aumento foi relevante em São Paulo (41,11%) e Belo Horizonte (36,94%), com preços de R$ 2,82/kg e R$ 1,68/kg, respectivamente. Já a melancia subiu 36,12% em Vitória (R$ 1,15/kg) e 30,17% em Belo Horizonte (R$ 1,15/kg).

Hortaliças

Tomate, batata, alface, cebola e cenoura apresentaram alta nas cotações de preços na maioria das Ceasas analisadas. O quilo do tomate foi comercializado em Vitória por R$ 2,08 e a R$ 3,17 em São Paulo. Mesmo assim, os preços continuam em baixos patamares para o produtor desde o segundo semestre de 2016. Esse cenário pode acarretar para os próximos meses diminuição de área plantada, retornando o movimento de alta do produto.

A análise de preços praticados pelas centrais de abastecimento é feita mensalmente pelo Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) da Conab, a partir de informações fornecidas pelos principais entrepostos de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Pernambuco, Ceará, Acre e Distrito Federal.

Clique aqui para acessar a íntegra do boletim.

Mais informações à imprensa:
Gerência de Imprensa
(61) 3312-6338/ 6344/ 6393/ 2256
imprensa@conab.gov.br