Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Em Minas, Tereza Cristina dá início à campanha nacional de vacinação contra febre aftosa

Notícias

Em Minas, Tereza Cristina dá início à campanha nacional de vacinação contra febre aftosa

Uberaba

Ministra pede aos produtores que assumam a responsabilidade de vacinar seus rebanhos e lembra que Brasil aumentará exportações de carnes se for declarado livre de aftosa sem vacinação
publicado: 27/04/2019 16h36 última modificação: 29/04/2019 18h06
Exibir carrossel de imagens Ministra dá início à campanha de vacinação

Ministra dá início à campanha de vacinação

Ao dar início neste sábado (27), em Uberaba (MG), à campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) pediu a todos os produtores brasileiros que assumam a responsabilidade de vacinar seus rebanhos de bovinos para impedir a volta da doença ao território nacional.

A ministra lembrou que, graças ao sucesso das campanhas de vacinação, o Brasil conseguiu ser declarado, no ano passado, livre da aftosa com vacinação, e agora está iniciando um programa para a retirada gradual da vacina. Por enquanto, apenas Santa Catarina é considerado estado livre da aftosa sem a necessidade de vacinação.

"É importantíssima a responsabilidade do produtor brasileiro em vacinar seu gado", disse a ministra. "Existe um programa que o produtor brasileiro precisa seguir para vacinar no prazo correto, ele precisa usar a vacina em 30 dias, e a dosagem vai diminuir".

A ministra e a secretária de Agricultura de Minas, Ana Valentini, aplicaram simbolicamente as primeiras vacinas durante a abertura oficial da 85ª Expozebu, em Uberaba. Tereza Cristina explicou a importância de vacinar corretamente o gado lembrando que o Brasil teve problemas nas exportações de carne para os Estados Unidos, porque a vacinação não foi feita de maneira correta. Só agora, dentro de algumas semanas, os americanos vão mandar uma missão oficial ao Brasil para inspecionar os frigoríficos e decidir se suspendem a proibição de importar a carne brasileira.

"Alguns estados vão retirar primeiro (a vacina) e depois vão os outros. Isso dará um status diferenciado para a carne brasileira para exportação. Nós poderemos atingir novos mercados. Mas agora existe um programa de vacinação a ser cumprido", explicou ela.

A ministra disse que é uma grande meta para o país retirar a vacina gradualmente, até 2023, o que vai exigir muito dos pecuaristas, do governo e das associações representativas do setor, que precisam compreender a responsabilidade que existe ao eliminar esta vacina. "Com isso, vamos ter um upgrade nas exportações de carnes, de miúdos, para muitos países do mundo que hoje restringem a importação de carne por causa da vacinação, apesar de o Brasil ser livre da doença em todo o seu território. Esse é o próximo grande passo da pecuária brasileira", disse ela, explicando que a retirada será feita por grupos de estados.

Plano safra

Sobre o crédito agrícola, a ministra confirmou que acabaram antes do previsto, as verbas previstas no atual Plano Safra (2018/2019) para o financiamento de tratores e outros maquinários dentro do programa Moderfrota, financiado pelo BNDES. Os produtores tiveram mais interesse em contrair os empréstimos para esse tipo de investimento do que o previsto pelo governo Michel Temer, em 2018. Mas não houve nenhum corte no Moderfrota, tanto que nas atuais negociações com o Ministério da Economia para o próximo Plano Safra (2019/2020), que vai ser anunciado no dia 12 de junho, em Brasília, estão sendo contempladas novas verbas para o programa.

"Não tem nenhum programa que será cortado, nós faremos apenas algumas modificações, aumentando a verba para os programas que têm mais demanda e diminuindo aqueles que têm menos demanda", afirmou a ministra.

Tereza Cristina reafirmou também que vai aumentar a prioridade para aos programas de assistência técnica e extensão rural, principalmente para os pequenos e médios produtores, mas direcionando as verbas para fazer com elas cheguem realmente aos agricultores e que a assistência seja efetivamente realizada. "Não queremos que só sejam feitos projetos para pegar dinheiro em banco", disse a ministra.

Ela recebeu a medalha de mérito da (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) na categoria política e participou a cerimônia de descerramento da placa comemorativa dos 100 anos de existência da ABCZ.

Clique aqui para ouvir a matéria da Rádio Mapa

Mais informações à Imprensa
Coordenação geral de imprensa
imprensa@gricultura.gov.br