Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Em evento no Pará, Mapa estimula produção de cacau no Brasil

Notícias

Em evento no Pará, Mapa estimula produção de cacau no Brasil

Cacauicultura

Oficina da Rota do Cacau reuniu representantes de órgãos públicos e da cadeia produtiva em Altamira e Belém
publicado: 23/09/2019 13h12 última modificação: 23/09/2019 15h59

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) foi parceiro do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) na realização da Oficina de Implementação do Polo Transamazônico - Rota do Cacau, que ocorreu entre os dias 17 e 20 de setembro, nos municípios de Altamira e Belém, no estado do Pará. O objetivo é impulsionar o potencial produtivo do cacau e contribuir para a geração de emprego e renda, especialmente para pequenos e médios produtores rurais.

A Rota do Cacau faz parte do Programa Rotas de Integração Nacional do MDR, que mapeia as cadeias produtivas potenciais em todo o país e atua com redes interligadas de Arranjos Produtivos Locais (APLs) para promover inovação, diferenciação, competitividade e lucratividade de empreendimentos associados. A participação do Mapa ocorreu por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo (SAF) e da Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação (SDI).

O encontro reuniu representantes de instituições públicas e atores locais interessados na instalação da Rota do Cacau para debater a atualização do planejamento estratégico do polo, a formalização do Comitê Gestor, propostas de cooperação e a execução de projeto de assistência rural.

Também estiveram na pauta temas como a viabilização do Centro de Referência do Cacau, a implementação do Projeto de Boas Práticas Agrícolas, o Programa PI Brasil, o Selo Brasil Certificado e a inauguração da incubadora de empreendimentos voltados para a inovação e o desenvolvimento da cadeia do cacau.

Técnicos da SAF estiveram presentes na Oficina, expondo e articulando as possibilidades de integração com as diversas políticas públicas do Mapa, como os programas Bioeconomia Brasil – Sociobiodiversidade e Brasil Mais Cooperativo, voltados para a agricultura familiar e para pequenos e médios produtores rurais.

“A Rota do Cacau é mais uma possibilidade de somar esforços voltados para a estruturação de uma cadeia produtiva que tem significativa participação de agricultores familiares e pequenos e médios produtores. Dessa forma, podemos trazer mais efetividade e eficiência na aplicação dos recursos públicos para geração de renda destes produtores. Isso é bom para os agricultores, para as empresas e para o País”, destacou o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo, Fernando Schwanke.

A SDI, por meio do Departamento de Desenvolvimento de Cadeias Produtivas, apresentou a Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil), um programa nacional, coordenado pelo Mapa desde 2002, que objetiva a produção de alimentos sustentáveis e seguros para o consumo mediante a adoção das Boas Práticas Agrícolas, o uso racional de pesticidas e a adoção de rastreabilidade nas cadeias produtivas agrícolas e florestais. Os produtores que aderem à PI Brasil podem fazer uso do Selo Brasil Certificado, garantindo que a produção é sustentável e que respeita as legislações ambiental e trabalhista.

Técnicos das duas Secretarias também participaram da abertura do Chocolat Amazônia 2019 – VI Festival Internacional do Chocolate e Cacau, que ocorreu em Belém, de 19 a 22 de setembro. Durante o evento, a SDI realizou uma série de reuniões com representantes regionais da cadeia produtiva do cacau com vistas à adoção da PI Brasil na região amazônica.

Estiveram envolvidas com as atividades a Superintendência Federal de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Pará (SFA/PA), a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac/Mapa), a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap-PA), a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-PA), a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará-PA), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a Universidade Federal do Pará (UFPA), a Associação das Indústrias Processadoras de Cacau (AIPC), a Secretaria Nacional de Desenvolvimento Regional e Urbano (SDRU/MDR), a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet-PA), a World Cocoa Foundation (WCF-Cocoa Action) e as cooperativas Cepotx , Coopatrans, Copoam e Coopercau.

Defesa Sanitária

No sábado (21), a Ceplac promoveu um minicurso de Defesa Fitossanitária de Cacau para os produtores do estado. Eles receberam orientação sobre boas práticas de como lidar com o fungo Moniliophthora perniciosa, conhecido como vassoura-de-bruxa. O curso foi ministrado pelo técnico Geraldo Costa, que destacou a questão do controle genético, quando as plantas são estudadas por um longo período antes de irem para a troca de sementes no campo. Outra recomendação é que os produtores retirem o fungo durante o verão para impedir a reprodução. 

Rota do cacau         

O cacau é considerado uma das grandes promessas de crescimento do setor agrícola no Brasil e, consequentemente, de promoção de desenvolvimento regional. Atualmente, 90% da produção nacional estão concentradas, principalmente em dois polos: no litoral sul da Bahia, que abrange 26 municípios na Mata Atlântica e na Transamazônica, e 11 cidades paraenses na região da Floresta Amazônica.

O Pará vem surpreendendo e ultrapassou a Bahia, até então líder na produção. Em 2016, foram 117 mil toneladas de cacau produzidas em aproximadamente 170 mil hectares no estado paraense.

O Brasil é o 7º maior exportador do produto no mundo. A agregação de valor do cacau supera 2.000% desde a amêndoa até o chocolate e a cadeia produtiva movimenta R$ 20 bilhões no território nacional.

* Texto publicado em 16/09/2019 e republicado nesta segunda-feira (23) para correção das datas do evento

Informações à imprensa
Coordenação-Geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br

registrado em: ,