Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Brasil e Paraguai vão construir uma agenda comum sobre o agronegócio

Notícias

Brasil e Paraguai vão construir uma agenda comum sobre o agronegócio

Integração

Ingresso de arroz e insumos foram discutidos pela ministra Tereza Cristina e Denis Lich
publicado: 15/03/2019 16h10 última modificação: 15/03/2019 17h10
Ministra Tereza Cristina recebeu ministro da Agricultura do Paraguai e comitiva em audiência no Mapa

Ministra Tereza Cristina recebeu ministro da Agricultura do Paraguai e comitiva em audiência no Mapa

A construção de uma agenda comum entre o Brasil e o Paraguai sobre assuntos do agronegócio foi discutida em reunião realizada nesta sexta-feira (15) entre a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina e o ministro da Agricultura do Paraguai, Denis Lich. Na pauta estão assuntos como: melhoria no fluxo de aprovação das importações nas fronteiras dos dois países.

Atualmente, há divergências na documentação para entrada de produtos e também falta de funcionários para fiscalização. Outro assunto foi a entrada em grande quantidade de arroz do país vizinho. Produtores brasileiros reclamam que enfrentam dificuldades com a entrada do produto paraguaio. E o setor já está encolhendo, por conta de problemas com questões climáticas devido ao excesso de chuvas que atrapalham o plantio. Os dois países concordam que uma política que defina a entrada do arroz paraguaio no Brasil seria uma solução.

A preocupação com o contrabando de agrotóxicos foi outra pauta discutida. Brasil e Paraguai devem avançar em um trabalho conjunto de integração no combate ao contrabando. Tereza Cristina pediu ao colega paraguaio que estabeleça o vazio sanitário (período em que a terra não é cultivada) na soja, como medida de controle da ferrugem asiática. O pedido foi aceito e estará presente na agenda de trabalho a ser desenvolvida.

O secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, José Guilherme Leal, participou da reunião e disse que as equipes técnicas vão estudar os assuntos e elaborar propostas para avançar num trabalho conjunto. Uma nova reunião deve acontecer num prazo de 30 dias para avançar nos entendimentos.

Acesse a matéria da Rádio Mapa

 


Mais informações à imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
imprensa@agricultura.gov.br