Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Países membros da Cosalfa se unem para vacinar rebanhos da Venezuela

Notícias

Países membros da Cosalfa se unem para vacinar rebanhos da Venezuela

Sanidade

Comissão Sul Americana da Luta Contra febre aftosa vai criar um fundo e destinar 39 milhões de doses para realizar as campanhas no país
publicado: 25/07/2018 17h44 última modificação: 26/07/2018 15h32

O diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e representante do Brasil na Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), Guilherme Marques, informou que o Centro Pan-Americano de Febre Aftosa (Panaftosa) está coordenando, por determinação dos países membros da Comissão Sul Americana da Luta Contra febre aftosa (Cosalfa), um plano de vacinação contra a doença no rebanho bovino e bubalino da Venezuela, durante dois anos, podendo ser prorrogados por mais dois anos. O comunicado do Panaftosa foi feito na semana passada.

A decisão da Cosalfa foi tomada pelos 13 países membros na 45ª reunião da comissão, que ocorreu em maio. Para tanto, buscará a criação de um fundo privado para empregar nas ações de defesa, como a contratação de vacinadores, aluguéis de carros para campanhas de vacinação, compra de pistolas para aplicação das vacinas e estruturação da cadeia de frio para a conservação das vacinas. Os países buscarão apoiar as ações com o envio de profissionais e doação de vacina contra a doença.

Segundo Guilherme Marques, que também preside o Comitê Veterinário Permanente do Cone Sul (CVP), os serviços sanitários sul americanos estão se reunindo com a iniciativa privada de seus países, para iniciar em novembro campanha de vacinação na Venezuela. “É um projeto que o Brasil tem interesse estratégico por causa da fronteira, e todo o investimento feito pelo Brasil na erradicação da aftosa e principalmente para obtermos maior segurança na região.”, explicou o diretor.

A previsão é que sejam doadas 39 milhões de doses de vacinas/ano à Venezuela, das quais 32 milhões serão aplicadas em duas campanhas (todo o rebanho), e 7 milhões para serem direcionadas em uma campanha intermediária, voltada apenas aos animais com idade de até 24 meses.

A Venezuela não produz vacinas contra a febre aftosa há vários anos. “No momento em que houver a vacinação, deverão ser recadastradas as propriedades e os rebanhos, com inspeção clínica dos animais e coleta de amostras, para erradicarmos a aftosa de todo o continente”, explicou Marques.

“Nós temos que interromper a circulação do vírus da aftosa na região (Colômbia e Venezuela). E, obviamente, dar condições ao setor privado e ao serviço veterinário oficial da Venezuela para realizarem trabalho de longo prazo na erradicação e prevenção da doença”, completou. O diretor esclarece que o Brasil historicamente tem 50 milhões de vacinas contra aftosa em seu estoque emergencial.

Acompanhe o áudio dessa matéria na Rádio Mapa


Mais informações à Imprensa:
Coordenação-geral de Comunicação Social
Janete Lima

imprensa@agricultura.gov.br