Micoplasmose aviária

publicado 06/01/2020 17h43, última modificação 14/01/2020 08h54

Micoplasmoses são enfermidades que causam, principalmente, problemas respiratórios, urogenitais e articulatórios nas aves. A disseminação do agente pode ocorrer horizontalmente por meio de aerossóis, em acasalamentos e inseminações artificiais, ou de forma direta/indireta; e verticalmente, por meio da infecção do ovo.

Existem três micoplasmas de importância econômica, o Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma synoviae, Mycoplasma meleagridis, sendo que todos esses agentes podem causar enfermidade subclínica ou clínica nas aves.

As formas clássicas dessas infecções são a doença crônica respiratória das galinhas (DCR), sinusite infecciosa dos perus, a sinovite infecciosa e a aerossaculite das aves.   

Considerando a importância desta doença, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) estabelece ações de controle e monitoramento de micoplasmas em granjas avícolas de reprodução, além disso, o Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA) também estabelece os critérios mínimos de biosseguridade a serem adotados pelas granjas para registro no serviço veterinário oficial, conforme a seguir:

Os plantéis avícolas de reprodução são submetidos a um controle sanitário periódico de micoplasmas. O acompanhamento sanitário dos plantéis é supervisionado pelo MAPA e o programa tem sua conduta baseada na Instrução Normativa SDA nº 44, de 23 de agosto de 2001, a qual aprova as normas técnicas para controle e certificação de núcleos e estabelecimentos avícolas para a micoplasmose aviária.

Instrução Normativa MAPA nº 56, de 04 de dezembro de 2007, estabelece os procedimentos para registro, fiscalização e controle de estabelecimentos avícolas de reprodução e comerciais, definindo as medidas estruturais e de manejo para garantir a biosseguridade das granjas avícolas.

Ficha Técnica - Micoplasmose aviária