Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Pesca e Aquicultura > Semana do Peixe

Semana do Peixe

publicado 06/04/2017 15h53, última modificação 17/04/2017 15h13

OPERAÇÃO SEMANA SANTA (21/02/2017)

Controle oficial da fraude por substituição de espécie de pescado pelo DNA

Dando Continuidade ao Subprograma controle oficial da fraude por substituição de espécies de pescado por análise de DNA para o ano de 2017, foi programado para o dia 21/02/2016 um dia nacional de coleta de amostras de produtos da pesca e aquicultura no mercado varejista em oito estados e no Distrito Federal, contando com a participação de 33 Auditores Fiscais Federais Agropecuários e Agentes de Inspeção do Ministério da Agricultura.

Além do Distrito Federal, foram realizadas ações de coleta nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará, Minas Gerais e Pará.

Foram coletadas 150 amostras de peixes, sendo 146 de peixe congelado (97 %) e 4 de peixe salgado ( 3 %).

Das 150 amostras coletadas, 121 (81 %) foram de produtos nacionais e 29 (19 %) de produtos importados.

Das 150 análises realizadas 145 (97 %) resultados foram considerados conformes, e apenas 5 (3 %) foram considerados não conformes, isto é, a espécie declarada no rótulo não condizia com a constatada no exame de DNA.

Os resultados estão expressos de acordo com tabela 1, a seguir:

 

Em comparação com as análises realizadas nos anos de 2015 e 2016 pode ser evidenciada expressiva redução dos índices de não conformidades relacionados a este tipo de fraude, que caiu de 23% nas 237 amostras coletadas durante o ano de 2015, para 15% das 149 amostras realizadas na Operação Semana Santa de 2016, e agora com esta redução para os atuais 3 %.

Ao todo foram coletadas amostras de 14 empresas estrangeiras (29 amostras), sendo que todas apresentaram resultados conformes.

As 121 amostras coletadas de produtos nacionais foram referentes a 38 empresas brasileiras sob SIF, sendo que apenas duas delas apresentaram resultados de análise em desacordo com a espécie declarada no rótulo.

De um modo geral as coletas são direcionadas a produtos que são mais implicados nas fraudes por substituição de espécies, principalmente espécies de maior valor comercial, que são substituídos por outras mais baratas em suas embalagens.

De acordo com as amostras coletadas nesta operação, as substituições ocorreram em embalagens de SARDINHA, substituídas por SARDINHA LAGE, PESCADA substituída por CABEÇUDO ou TIRA-VIRA, e PESCADINHA substituída por MARIA-LUÍZA.

Entendemos que esta redução gradativa dos índices de fraudes por substituição de espécies deve-se ao trabalho de intensificação das coletas tanto em produtos nacionais quanto nos importados, trabalho este realizado em operações de comércio e nas rotinas de inspeção e reinspeção de produtos nos locais de processamento e armazenagem, bem como às ações de fiscalização decorrentes das violações evidenciadas, com a implantação de rigorosas medidas cautelares junto às empresas nacionais e do Regime de Alerta de Importação para empresas fraudadoras internacionais.

 

Sobre ações específicas relacionadas ao Bacalhau

Nas ações de coleta do dia 21 de fevereiro foram coletadas 19 amostras de Bacalhau (11% das amostras coletadas).

Das 19 amostras de bacalhau 15 (79%) eram da forma dessalgado congelado e 4 (19%) eram salgados.

Das 19 amostras de bacalhau coletadas 16 (84%) eram importadas em suas embalagens originais e 3 (16%) fracionadas por empresas brasileiras com SIF.

Foram coletadas 11 (58%) amostras de bacalhau da espécie Gadus mohua, chamado de PORTO ou COD e 8 da espécie Gadus macrocephalus.

Todas as amostras de bacalhau coletadas apresentaram resultados conformes, sendo exatamente da espécie designada na rotulagem.

 

Semana do Peixe      Manual de Inspeção para Identificação    Comprando Bacalhau.png

 

Sobre a fiscalização do Azeite

 

Relação de Marcas de Azeite Conformes

Relação de Marcas de Azeite Não Conformes

 

 

 

registrado em: